Entidades:
Redes Sociais:
destaques
Previdência Social
03/11/08 | Fonte: Agora

Veja como o auxílio pode virar permanente


AUXÍLIO-DOENÇA, APÓS PERÍCIA DO INSS, PODE SER TRANSFORMADO EM AUXÍLIO-ACIDENTE OU EM APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. SAIBA COMO

No país, 1,35 milhão de segurados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) recebem o auxílio-doença -benefício mensal equivalente a 91% do salário de benefício (valor da aposentadoria) pago aos afastados do trabalho por mais de 15 dias seguidos.

Entretanto, o benefício é temporário -tem duração máxima de dois anos. Quem não se recupera para o trabalho, porém, pode ter o auxílio trocado por outro benefício: a a aposentadoria por invalidez ou o auxílio-acidente.

Se o segurado que recebe o auxílio-doença não se sente recuperado para o trabalho, ele deve, nos últimos 15 dias antes da data prevista pelo médico perito do INSS para a alta, pedir a prorrogação do pagamento. Nesse caso, será marcada uma nova avaliação médica na Previdência.

Nesse exame, é importante que o segurado leve laudos (exames, atestados e receitas médicas, por exemplo) que mostrem que a doença não está curada e que a volta para o trabalho é impossível.

O perito do INSS, então, poderá decidir pela prorrogação do auxílio-doença por mais um período de até dois anos ou pela troca de benefício.

O segurado pode ser inscrito na reabilitação do INSS para que seja capacitado para exercer uma outra função ou profissão. Se a reabilitação não der certo, ele então poderá ter o auxílio-doença transformado em aposentadoria por invalidez.

"Pela regra do INSS, essa troca só é possível se o segurado não tiver recuperado a capacidade para o trabalho e se não houver chance de reabilitação", disse Ulisses Meneguim, advogado previdenciário, do escritório UM Advocacia e Consultoria Previdenciária.

A troca do auxílio-doença pela aposentadoria por invalidez é vantajosa para o segurado porque o valor do benefício é maior. Nessa aposentadoria, o beneficiário do INSS recebe 100% do salário de benefício, enquanto no auxílio-doença ele ganha apenas 91%. "Além disso, o tempo de recebimento do auxílio-doença entra na conta como tempo de contribuição, o que pode aumentar mais a aposentadoria", diz Meneguim.

Auxílio-acidente

Se o perito verificar que o segurado ficou com alguma seqüela permanente que reduziu sua capacidade de trabalho, sem causar a invalidez, pode ser feita troca do auxílio-doença para um auxílio-acidente. A vantagem é que o auxílio-acidente é um benefício pago até a aposentadoria, e o segurado não precisa passar por perícias de reavaliação nos postos do INSS.

Se o segurado retornar ao trabalho ou arranjar um novo emprego, o auxílio-acidente continuará a ser pago.

O benefício só é cancelado se o segurado morrer, se aposentar ou se receber um novo auxílio-doença.

O valor do auxílio-acidente, porém, é menor. O segurado recebe 50% do valor do salário de benefício. (Juca Guimarães)

2
Seu comentário:
Nome:
Email:
  • Comentário de
    carlos
    Postado em 03/05/12
    Eu não pertenço a esta gategoria, trabalho no interior de PE/ em uma água mineral e quando me acidentei a empresa não fez nada, nem as operações de reparação eles pagaram... Fui encaminhado para reabilitação proficional. Foi de bom proveito ótimo obrigado...
  • Comentário de
    GABRIEL
    Postado em 24/08/12
    Sou carteiro motorizado(moto) em Goiás ,sofri um acidente de trânsito grave,fui operado,estou em tratamento e segundo o meu médico deverei ficar com limitações físicas .Não deverei aposentar mas deverei ser reabilitado de função .Muito pertinente esse texto. Obrigado!
25/07/14

Editorial em vídeo da Agência Sindical

Com João Franzin

DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31
Receba notícias da CNTM:
Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos
SAS, Quadra 06, Bloco K, Edifício Belvedere, Grupo 502 CEP 70.070-915, Brasília/DF 55 61 3223.5600 cntm@cntm.org.br